top of page

ANPD determina suspensão cautelar do tratamento de dados pessoais para treinamento da IA da Meta




Assim como aconteceu na Europa, no mês passado, Autoridade Nacional de Proteção de Dados/ANPD determinou, no último dia 02, através de Medida Preventiva, a imediata suspensão, no Brasil, da vigência da nova política de privacidade da empresa Meta, que autorizava o uso de dados pessoais publicados em suas plataformas para fins de treinamento de sistemas de inteligência artificial (IA). 

A Política de Privacidade da Meta, objeto da suspensão, entrou em vigor no dia 26 de junho e se aplica aos "Produtos da Meta", que incluem o Facebook, o Messenger e o Instagram. No documento, há permissão para que a empresa utilize informações publicamente disponíveis e conteúdos compartilhados por usuários de suas plataformas para treinamento e aperfeiçoamento de sistemas de IA generativa. 

Assim que a nova política foi anunciada, o assunto ganhou repercussão nas redes sociais, com usuários preocupados com o uso dos seus dados e especialistas ensinando como as pessoas poderiam se opor a esse uso. A ANPD tomou conhecimento do caso e instaurou processo de fiscalização, em função de indícios de violações à Lei Geral de Proteção de Dados/LGPD.

Após análise preliminar, a Autoridade constatou riscos de dano grave e de difícil reparação aos usuários e, assim, determinou, cautelarmente, a suspensão da política de privacidade e da operação de tratamento. 


Entre os problemas encontrados pela ANPD estão:

  • uso de hipótese legal de tratamento inadequada, principalmente pelo fato da empresa utilizar a base legal do legítimo interesse para o tratamento dos dados - hipótese essa que não pode ser utilizada no caso de dados sensíveis, que também seriam tratados pela plataforma. 

  • falta de observância do princípio da necessidade e da finalidade, uma vez que o uso de informações geradas no site seriam utilizadas para fins diversos daquele inicial;  

  • falta de transparência  sobre o uso dos dados pessoais, ou seja, falta de informações claras sobre como se dará o uso dos dados pessoais nesses tratamentos;

  • limitação excessiva de exercício de direitos dos titulares de dados;

  • riscos para crianças e adolescentes; como regra prevista em lei, esses dados somente podem ser utilizados visando o melhor interesse desses titulares e, por outro lado, não há comprovação que o uso das informações dos menores para desenvolvimento de IA generativa está diretamente ligado ao melhor interesse desse público. 


A medida aplicada é um instrumento de competência da ANPD, utilizada para garantir a efetividade de atuação da Autoridade com vistas à proteção dos direitos dos titulares. Serve, ainda, para evitar a ocorrência de danos graves e irreparáveis ou de difícil reparação para os titulares de dados pessoais.  

Ainda, por se tratar de caso urgente, a medida pode ser adotada sem prévia manifestação da meta e foi acompanhada de multa diária de R$50.000,00, em caso de descumprimento da obrigação imposta. 

Isso mostra o caráter ativo da Autoridade Nacional de Proteção de Dados pessoais, em fazer valer as leis relacionadas ao uso de dados no nosso país. 

O processo fiscalizatório agora segue, com mais análises sobre o uso de dados e manifestação da Meta sobre o caso. 


14 visualizações

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page